21 de mar de 2013

Kindle Paperwhite, Kobo Glo e o futuro dos eReaders no Brasil

Kindle Paperwhite, Kobo Glo e o futuro dos eReaders no Brasil

A Amazon começou a vender seu Kindle Paperwhite aqui no Brasil. Antes disso, a Kobo já havia lançado aqui seu leitor de livros digitais tela iluminada, o Kobo Glo. São os aparelhos top de linha dessas duas empresas. Cada um com suas características, vantagens e desvantagens. Vamos discutir um pouco sobre esses dois aparelhos e sua relevância no mercado de livros digitais.


Amazon e o Kindle Paperwhite

Amazon e o Kindle Paperwhite
Lançado há algum tempo nos EUA, ele chegou esta semana em terras tupiniquins. Agora ele tem tela sensível ao toque (coisa que seu irmão mais velho não tinha), tela de 6 polegadas iluminada, com ajuste de intensidade, maior autonomia de bateria e uma versão com 3G e whispersync. De resto, ele é idêntico ao Kindle tradicional. Aqui, ele chega por R$ 479,00 na versão wifi e R$ 699,00 na versão 3G. Mais detalhes sobre o aparelho aqui.

O Kindle só funciona com livros comprados na loja virtual da Amazon (que já tem sua versão brasileira) ou com publicações convertidas para seu formato proprietário. Essa é a sua principal desvantagem frente a seus concorrentes, pois o formato fechado e proprietário impede a utilização com publicações distribuidas em formato aberto sem que a conversão para o formato proprietário seja feita. Tem também a impossibilidade de expandir sua capacidade de armazenamento, ficando preso aos 2GB vindos de fábrica.

Kobo e seu Kobo Glo

Kobo e seu Kobo Glo
A Kobo fez uma parceria com a Livraria Cultura e lançou seu eReader por aqui há algum tempo. Porém só recentemente lançou a sua versão com tela iluminada também. Chegou antes da versão do Kindle, e quando este foi anunciado por aqui, a Kobo baixou o preço do seu produto de R$ 449,00 para R$ 399,00, mediante ao cadastro do cliente no programa +Cultura da Livraria Cultura (que é gratuito). Ele só possui a versão wifi, sem previsão de uma versão com 3G.

A plataforma do Kobo Glo é aberta, ou seja, não importa onde você adquiriu seus ebooks, é só salvá-los no seu aparelho e os mesmos irão fazer parte da sua biblioteca. E ele suporta a maioria dos formatos abertos (veja aqui as especificações completas do aparelho), com destaque para os formatos CBR e CBZ, que os fãs de HQs digitais devem conhecer muito bem. Além disso, permite que você utilize cartões SD para expandir a capacidade de armazenamento, suportando até 32GB.

Aqui tem um vídeo com a comparação dos dois concorrentes, feito pelo pessoal do Good eReader:


eReaders vs. Tablets: competição ou evolução?

Muita gente se pergunta o porque de investir num eReader quando já se tem soluções mais atuais, como os tablets. Realmente há apostas de que no Brasil não há espaço para os eReaders, pois o desenvolvimento dos tablets foi muito rápido, e seu custo já o torna uma alternativa tentadora, pois permite muitas outras funções além de apenas servir para a leitura de ebooks. E realmente é isso que está acontecendo. A venda de eReaders está estagnada, praticamente reduzindo, frente a franca expansão dos smartphones e tablets.

Porém, apesar das vantagens do tablet, tem uma coisa que o eReader é insuperável: a qualidade de sua tela para leitura. As telas dos tables, por sua luminosidade, cansam os olhos muito mais rápido que as telas eInk dos eReaders. Agora que esses possuem telas iluminadas, se apresentam como uma solução excelente para substituição dos livros convencionais. A duração da bateria é outro ponto forte. Com um uso moderado da iluminação, a bateria desses aparelhos dura semanas longe das tomadas. São mais leves, mais finos e geralmente tem uma "pegada" melhor da que existe nos tablets.

Minhas considerações finais

Sou um grande apreciador dos eReaders. São equipamentos com função específica (a leitura) e devem ser considerados pensando somente nela. Se levar em conta suas vantagens nesse quesito, não os vejo como concorrentes dos tablets, mas como equipamentos complementares, sendo seu foco o mercado de ebooks.

Se pensar assim, e der uma chance a um eReader, tenho certeza que ganhará um ótimo companheiro de leitura, e vai torná-lo seu eReader de cabeceira. Das duas opções que citei, eu fico com o Kobo Glo, principalmente por sua plataforma aberta. Mas ambos são duas excelentes opções para quem quer trocar os livros de papel pelo digital.

Nenhum comentário:

Postar um comentário